terça-feira, 28 de junho de 2011

OCUPAÇÃO IRMÃ DOROTHY: LIDERANÇAS E MORADORES DO MOVIMENTO FORAM AGREDIDOS PELO BATALHÃO DE CHOQUE




OCUPAÇÃO IRMÃ DOROTHY: LIDERANÇAS E MORADORES DO MOVIMENTO FORAM AGREDIDOS PELO BATALHÃO DE CHOQUE

Na manhã de Terça Feira (28), a comunidade irmã Dorothy, filiada ao movimento sem casa/ CMP Ceará, foi despejada pela polícia do choque sobre a ordem do Juiz Carlos Rodrigues Feitosa. A situação foi um deliberado abuso de poder.  Um forte aparato policial garante que dois oficiais de justiça com 2 tratores e muitos capangas realizem o despejo. Enquanto os barracos eram destruídos lideranças da CMP eram agredidas pela polícia. As militantes do movimento, Helena e Cineide sofreram prisão domiciliar em uma das casas da Rua Cruzeiro do Sul em frente aos barracos, ambas foram consideradas pelo oficial de justiça como agitadoras contra a ordem no local.  De fato, as militantes protestaram contra a presença de um dos envolvidos no despejo que ficou muito próximo do local de forma a intimidar os já violentados moradores e moradoras com a destruição de seus objetos.
Outro momento de confronto foi quando um dos oficiais de justiça tentou arrancar o celular da Helena que estava filmando. Acontece que várias pessoas filmavam, a própria policia e um representante da CLASSIC IMOBILIÁRIA E CONSULTORIA LTDA proprietária do terreno. Como a policia não podia prender todo mundo partiu pra cima das duas companheiras por ordem do oficial que exigiu a retirada das duas do local.  Outro conflito foi a acusação de que uma outra militante e moradora da comunidade tinha arma no barraco, isso causou a maior violência, prenderam ela e os filhos no barraco e ninguém podia se aproximar, inclusive uma das  vitimas é menor de 16 anos. A partir dessa acusação, a polícia passou a revistar todos os pertences da família, em seguida chegou ao local uma policial feminina que por ordem do comandante da tropa iniciou revistando a bolsa da dirigente da CMP Cineide e em seguida revistou a roupa da mãe e da adolescente. Apesar de muitas revistas não foi encontrado nada que incriminassem os militantes.                 
           A ocupação resistiu quase dez meses, sendo este o segundo despejo, desde o primeiro que a CMP solicitou pesquisa da área do DENIT em Brasília, pois em documento antigo consta que o terreno de 47 mil metros quadrados teve parte da área desapropriada pela união para pagamento de impostos.
            No início da ocupação que aconteceu 11 de setembro de 2011, outra liminar expulsou os sem tetos, mas as pessoas permaneceram ao lado do terreno resistindo e averiguando a real situação. Desta maneira, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Escritório Frei Tito dos 47 mil metros de terra, 17 mil pertencem a união.
                     Portanto, companheiros e companheiras, A Central de Movimentos Populares do Ceará convencida da justeza da luta por moradia digna, não só pede a solidariedade de tod@s os lutador@s, como também propõe que os movimentos se articulem para combater a especulação imobiliária que tomou conta da nossa cidade.  Nesse sentido, a ocupação Irmã Dorothy não se sente derrotada, mas indignada e cada vez mais decidida a manter a luta por moradia e contra todas as formas de opressão realizada pelo capital.
TERRA NÃO É MERCADORIA!
    
           
               

Um comentário:

Stella Maris disse...

Um absurdo, tanta violência,
postei esta materia no portal do Luis Nassif.